Coisas às quais nos apegamos

Meu nome é Aimee Covey. Tenho 16 anos, uma irmã mais velha chamada Jess e uma melhor amiga, Scarlett. No fundo, isso é tudo o que precisa saber sobre mim.

Eu sempre fui deslumbrada demais. Me encanto facilmente por qualquer coisa, qualquer pessoa. Sou uma garota que se apaixona fácil demais.

Não são paixões intensas. Pequenas paixonites, um olhar aqui e ali, uma certa vontade e uma mente disposta a imaginar mil possibilidades. Acho que é por isso que percebi o quão facilmente nos apegamos. Nos apegamos e, por mais que juramos largar, nunca largamos. Por que insistimos em nos apossar dos outros?

Jess e Michael namoraram por bastante tempo. Michael é nosso vizinho. Obviamente, eu sempre gostei um pouco dele. Mas é o namorado da sua irmã, Aimee! Sim, eu sei, por isso eu fico quieta. Então Jess decidiu fazer faculdade na Inglaterra, por isso terminou com Michael. Porém, isso não muda nada, não é mesmo?

Ainda que Jess afirme de forma convicta que nunca voltará com ele e que um oceano inteiro os separe, estou na mesma com Michael, e de alguma forma sempre estarei.

Já Scarlett e Peter nunca chegaram a namorar. Apenas se beijaram, mas Peter não parece suficientemente interessado nela. Eu tenho uma paixonite por ele, lógico. Mas é o crush da sua melhor amiga, Aimee! Sim, eu sei, por isso também fico quieta. Peter não quer nada com Scarlett, está bem na cara. Porém, isso não muda nada, não é mesmo?

Ainda que Peter e Scarlett jamais fiquem juntos e ele demonstre sentimentos por mim, estou na mesma com Peter, e de alguma forma sempre estarei enquanto for amiga de Scarlett.

Isso é tão esquisito, não? Por que Jess se importaria se afirma ter desapegado? Por que Scarlett ficaria brava se ela sabe que nunca vai dar certo?

Achamos tão natural classificar um garoto como proibido baseando-se no seu passado com nossas amigas, irmãs, primas, mas não há nada de natural nisso. É, na realidade, idiota. Não estou falando isso porque estou frustrada com o fato de não poder ficar com Michael ou Peter. De verdade, eles não são os únicos caras por aí. Só acho esse ciúme de Jess e a inveja e Scarlett ridículos.

Não deveria ser tão difícil por um ponto final nas coisas. Acho que as pessoas querem se apegar demais a alguém. O amor não é se agarrar a alguém como uma âncora. É dividir momentos. Se não há mais nada para se dividir, por que prender essa pessoa, e não deixá-la procurar outra pessoa com quem dividir?

O que importa se essa pessoa é sua irmã, sua melhor amiga? Não deveríamos ficar felizes por alguém que já amamos encontrar amor nos braços de outro alguém que amamos? É tão ruim ver as pessoas ao nosso redor felizes com algo que já foi nosso? Tudo bem dar a nossas pessoas mais próximas um vestido que já não nos tem utilidade, mas é errado deixá-las ficar com alguém que amam mais do que ao vestido?

Jess permanece dando esperanças a Michael, para prendê-lo a elas quando ambas sabemos que ela não vai voltar atrás. Scarlett continua lançando olhares fulminantes para qualquer garota que se aproxime de Peter, gastando seu tempo com alguém que nem ao menos lhe quer.

Acho que elas precisam parar de gastar seu tempo com pessoas que já não significam mais nada em suas vidas. Se percebessem isso, poderiam ser bem mais felizes, quem sabe com outro alguém. E outras pessoas também poderiam fazer Michael e Peter felizes.

Não estou falando de mim, mas nunca se sabe.

Pare de me julgar. Tudo o que sugiro aqui é que paremos de usar esses falsos pontos. Gostamos de terminar tudo com ponto e vírgula, essa pontuação que não sabe se quer ser fim ou continuação.

Jess me diz: eu e Michael terminamos;

Scarlett me diz: Peter não quer nada comigo, então vou esquecê-lo;

Nenhuma delas usa ponto final. Por que medo do fim? Fins acabam com algumas coisas, mas representam o início de novas. Somos apegados demais ao passado. Não deveria ser tão difícil deixar algo para trás. Gosto de ser uma pessoa decidida. Quando algo acaba, é de verdade. E não me importo mais com o que vai acontecer. O destino de Michael e Peter deveria pertencer a eles, e não ao que Jess e Scarlett querem que eles façam.

São esforços inúteis. No fim, ambos farão o que quiserem. Muitas vezes com pessoas que não gostamos, e acabaremos nos afastando deles. Não seria melhor que ficassem com pessoas que gostamos? Não estaríamos fazendo duas pessoas com as quais nos importamos felizes?

O nosso problema é que usamos demais as pessoas. Amamos demais nossas posses, a ideia de ter alguém só nosso é demais para simplesmente dá-lo a outra pessoa conscientemente. Deixar Michael ou Peter ficarem com alguém como eu significaria que Jess e Scarlett estariam abrindo mão de algo que era seu. Amam demais suas posses para isso. Preferem continuar criando barreiras artificiais.

A grande pergunta é: temos pessoas para amar e coisas para usar, então por que insistimos em amar nossas coisas e usar as pessoas?

Anúncios